blog BuruRu Lançamento Orientalidades

Não são goblins… são dokkaebi!

Livro reúne 53 contos fantásticos da Coreia antiga – com narrativas tão encantadoras quanto as ocidentais – em uma edição dedicada a caracterizar a cultura coreana apropriadamente

É interessante relembrar a última década e reparar em como a cultura coreana tem ganho espaço na consciência coletiva ocidental. Apenas doze anos atrás, boa parte do Ocidente estava descobrindo essa cultura pela primeira vez com o K-pop, através de artistas como o Girls Generation e o Psy. E, agora, temos categorias inteiras nos serviços de streaming dedicados a dramas e seriados coreanos, trazendo cada vez mais dessa cultura para conhecimento comum. 

Podemos observar também a literatura ganhando espaço: em meio às prateleiras de mangás, olhares astutos vão identificar autores e títulos coreanos — são os populares manhwa. Além disso, também é possível encontrar livros tradicionais sendo traduzidos para o português. Entre eles, destacamos aqui Contos fantásticos coreanos: feiticeiras, fantasmas & outras criaturas mágicas, da editora Laboralivros (selo Bururu).

Esse livro traz, de maneira inédita em português, uma coletânea de contos dos autores Im Bang e Yi Ryuk, escritos entre os séculos XV e XVIII. São 53 contos ao todo, formando base essencial para aqueles que buscam conhecer melhor a literatura coreana. Uma curiosidade é que foi o segundo título de contos tradicionais publicados no Brasil (o primeiro lugar vai para Contos da tartaruga dourada)!

Os contos foram organizados e traduzidos para o inglês pelo missionário canadense James Scarth Gale, que viveu na Coreia de 1888 até 1927. Gale foi parte do grupo de missionários responsáveis pela primeira tradução da Bíblia para o coreano, e foi também o primeiro tradutor a publicar uma obra ocidental em hangul. Além de seu trabalho de levar a cultura e religião ocidentais para a Coreia, ele também fez o inverso — traduziu diversos livros e escritos coreanos para o inglês, sendo responsável por plantar as sementes da curiosidade sobre essa cultura tão rica aqui no Ocidente. É graças a seus esforços que esse livro chegou até nós, pois Gale manteve vivas essas histórias que já tinham mais de 300 anos quando ele chegou à Coreia.

Como diz o título, os contos têm em comum o tema sobrenatural, frequentemente tratando de homens com poderes mágicos, mulheres que se transformam em raposas e demônios que assolam incautos. Há forte inspiração do Taoísmo, do Budismo e do Confucionismo em muitas dessas histórias devido à proximidade geográfica e cultural da Coreia com a China. Entretanto, também observamos nos contos criaturas especificamente coreanas, como os dokkaebi, criaturinhas maldosas que se assemelham aos duendes europeus e que gostam de pregar peças nas pessoas.

Além disso, essas histórias trazem muitas informações sobre como era o contexto cultural da época em que foram escritos. Em Jaran, por exemplo, acompanhamos uma emocionante história de amor entre um rapaz da alta sociedade que renuncia a tudo para viver com sua amada, uma humilde dançarina. Através desse conto, não só nos emocionamos com as desventuras dos personagens como também podemos perceber as tradições e as normas sociais sobre o casamento na época, além de descrições de como funcionava o sistema de ascensão social.

Vale observar que nossa edição traz também uma importante característica: a adaptação dos termos. Uma vez que o livro foi traduzido ainda no início do século XX, Gale procurou adaptar termos para a cultura ocidental, como “fada”. Entretanto, esses conceitos não existem na cultura coreana, por isso contamos com um trabalho de pesquisa em que todos esses estrangeirismos foram modificados para os verdadeiros termos em coreano, como “feiticeira” para mudang ou “fada” para yojeong, aproximando assim o leitor da cultura original.

Contos fantásticos coreanos é, portanto, uma verdadeira máquina do tempo, nos permitindo ter um vislumbre da história e tradição tão longínqua dessa cultura tão rica, e nos permitindo apreciar belos “contos de fada” tão diferentes dos já conhecidos pela cultura ocidental.

O livro Contos fantásticos coreanos: feiticeiras, fantasmas & outras criaturas mágicas – que pode ser adquirido no site da editora com desconto – foi publicado através de financiamento coletivo, tornando-se o primeiro de uma coleção que daria origem a mais dois títulos: Contos fantásticos chineses e Contos fantásticos japoneses. E, em breve, deve se juntar a eles o título Contos fantásticos filipinos, que já colocamos em campanha para financiamento coletivo. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *