Lady Molly da Scotland Yard

Publicado por Baronesa Orczy em 1910 e ainda INÉDITO no Brasil

Uma dupla perfeita: detetive brilhante e assistente impressionável.

Não, não estamos falando de Sherlock Holmes e Dr. Watson, mas sim de Lady Molly e Mary Granard da Scotland Yard, criadas pela Baronesa Emma Orczy!

O livro contém as histórias completas de Lady Molly, sendo apresentado em formato bookcase com 12 contos, cada um dos quais apresentando um crime diferente.

Inédita no Brasil, essa publicação em edição de luxo e resgate das ilustrações originais vem com o intuito de resgatar uma obra relevante da literatura de mistério produzida por mulheres.

Somente você pode fazer este livro existir!

Apoie o projeto de financiamento coletivo, e tenha recompensas exclusivas!

Descrição

O projeto

Uma dupla perfeita: detetive brilhante e assistente impressionável.

Não, não estamos falando de Sherlock Holmes e Dr. Watson, mas sim de Lady Molly e Mary Granard da Scotland Yard, criadas pela Baronesa Emma Orczy!

Muitas mulheres autoras e personagens foram sendo esquecidas pela história, não tendo seus livros republicados nem divulgados e fazendo com que muitos leitores atuais as desconheçam completamente.

A coleção ‘Senhorita Detetive’ vem resgatá-las com o seu apoio!

Após o financiamento bem-sucedido do livro As aventuras da senhorita detetive Loveday Brooke, de Catherine L. Pirkis, feito aqui pelo Catarse em 2020, percebemos o quanto a literatura de mistério perde ao não se divulgarem as obras de incríveis escritoras do século XIX e início do XX.

Existem muito mais autoras e personagens detetives do que nos fazem pensar, e que, ao contrário do que se esperaria, foram, SIM, muito bem vendidas e famosas em suas épocas!

Prepare-se para o resgate!

Esta é a campanha para o financiamento do 3º volume da coleção Senhorita Detetive, o livro Lady Molly da Scotland Yard, escrito pela Baronesa Emma Orczy em 1910 e INÉDITO no Brasil.

Dentro da proposta da coleção, que é buscar autoras que tenham criado mulheres detetives, buscamos também selecionar as particularidades mais interessantes de cada personagem. No volume 1, temos Loveday Brooke, a primeira detetive mulher criada por uma autora mulher; no volume 2, a primeira mulher negra a desempenhar o papel de detetive.

No volume 3 da coleção, teremos uma mulher detetive a trabalhar oficialmente com a famosa Scotland Yard, livro ainda inédito no Brasil.

A alcunha aqui mencionada, “primeira mulher na Scotland Yard”, na realidade é mais uma referência à visão vanguardista da escritora com relação à participação feminina oficial nas polícias.

O fato é que a Scotland Yard começou a trabalhar com consultoras mulheres por volta de 1889, mas esse era um emprego apenas temporário; como o próprio nome diz, eles em alguns casos faziam uso de consultorias para investigações, ou mesmo para disfarce e espionagem.

Lady Molly Robertson-Kirk é uma mulher um tanto misteriosa que tem um talento inquestionável para solucionar mistérios, tanto quanto os bons detetives que já vimos em outros lugares. Algumas vezes o mistério para ela é tão obvio que chega a tratar os casos com pouco interesse e, não raras vezes, já os tem solucionados quase de imediato. No entanto, é claro, utiliza de alguns planos e artimanhas para fazer com que os culpados se revelem.

Esses casos são contados em primeira pessoa pela assistente Mary Granard, uma ex-detetive da Scotland Yard cheia de opiniões e muitíssimo bem-humorada de uma forma bem similar à que vemos na dinâmica Watson-Sherlock. E podemos dizer aqui que Mary acaba sendo tão ou mais importante que Lady Molly exatamente por isso. Assim como Watson, ela às vezes não entende a mente de sua querida senhora. No entanto, serve como mediadora da genialidade da detetive para nós leitores.

O livro contém as histórias completas de Lady Molly, sendo apresentado em formato bookcase com 12 contos, cada um dos quais apresentando um crime diferente.

Nossa edição contará não somente com a tradução como também com o resgate das ilustrações originais da primeira edição de 1910, feitas por Cyrus Cincinatto Cuneo (1880-1916) e terá o tamanho 16×23 em papel pólen 80 g com 300 páginas.

A história das polícias ao redor do mundo é naturalmente dominada por homens, e assim também foi a Scotland Yard: a primeira mulher a assumir a chefia foi Cressida Dick em 2017, depois de 188 anos de existência da instituição.

O que se iniciou quase informalmente em meados de 1914, tornou se oficial em 1918 como a Patrulha Feminina. Depois de finda a Primeira Guerra Mundial, quiseram desfazer a patrulha, mas as mulheres não permitiram e assim ela foi oficializada. No entanto, a primeira mulher oficial da polícia só seria promovida a detetive em 1922.

Baronesa Orczy seria visionária ao inserir em seu romance uma personagem que faz parte de fato da polícia, não sendo apenas uma consultora. Ela se adiantou em pelo menos 12 anos. Apesar de também ter sua competência julgada pelos personagens masculinos, Lady Molly poderia contar com uma sociedade mais preparada para aceitar uma mulher nesse tipo de profissão oficialmente, ao menos na ficção.

Emma Magdolna Rozália Mária Jozefa Borbála “Emmuska” Orczy, Baronesa de Orczy (Tarnaörs, 23 de setembro de 1865 – Londres, 12 de novembro de 1947) foi uma escritora e artista plástica britânica de ascendência nobre húngara, mais conhecida pela série de romances de aventura retratando o Pimpinela Escarlate (com publicações disponíveis no Brasil). Era filha do barão Félix de Orczy e da baronesa Emma de Orczy.

Orczy foi uma das pioneiras da história de detetive, com nada menos do que três personagens com contos seriados: The Old Man in The Corner (apelido do personagem), Lady Molly e Pimpinela Escarlate.

Ela se tornou um membro fundador do Detection Club, criado em 1930, embora naquela época sua principal reivindicação à fama literária residisse em suas histórias sobre Sir Percy Blakeney, também conhecido como Pimpinela Escarlate.

O projeto prevê recompensas exclusivas para os apoiadores aqui no Catarse! O destaque vai pra coleção de 10 cards ilustrados que trazem as detetives mulheres mais interessantes da ficção, escolhidas pela renomada escritora de thrillers Cláudia Lemes .

A edição em capa dura também deve ser exclusiva para os apoiadores do projeto! Confira algumas recompensas:

Livro em CAPA DURA: O livro em sua versão de luxo, com capa dura, guarda colorida personalizada, fitilho de cetim para marcar páginas e verniz localizado, seguindo o padrão pensado para a coleção Senhorita Detetive, em um livro de 16×23 ilustrado, papel pólen 80g com 300 páginas.

Livro em capa cartão: Uma versão mais simples do livroem capa cartão.

Marcador colorido: todos os livros vêm com marcador colorido frente e verso.

Marcador magnético: marcador magnético medindo 4x5cm com estampa exclusiva!

Tote bag “Senhorita Detetive”: Estampada em sublimação e forro em nylon 600, o que a deixa estruturada e impermeável, em tamanho 26×26 (medidas podem ser alteradas levemente devido à costura)

RECOMPENSAS EXCLUSIVAS PARA APOIADORES DO CATARSE

Entre as recompensas, algumas delas depois podem ir para a lojinha virtual da editora, entretanto, algumas delas são exclusivas para quem apoiou no catarse e ajudou o livro a existir! Confira quais são:

Lupa retrô: Lupa pequena para leitura (ou para ampliar detalhes de investigações) com design retrô, importada.

Button “Fight like a victorian lady detective”: button com estampa exclusiva medindo 4x4cm

Sticker “Lady Molly & Mary Granard”: Sticker qualidade premium exclusivo da detetive Lady Molly e sua assistente Mary Granard com 6x7cm em vinil de alta resolução com impressão digital ecológica de alta qualidade, material à prova d’água e com proteção UV, resistente ao sol, chuva e poeira.

Sticker “Vênus Johnson”: Sticker qualidade premium exclusivo com a detetive Vênus Johnson com 6x6cm em vinil de alta resolução com impressão digital ecológica de alta qualidade, material à prova d’água e com proteção UV, resistente ao sol, chuva e poeira.

Sticker “Loveday Brooke”: Sticker qualidade premium exclusivo com 4x6cm em vinil de alta resolução com impressão digital ecológica de alta qualidade, material à prova d’água e com proteção UV, resistente ao sol, chuva e poeira.

RECOMPENSA EXCLUSIVA PARA APOIADORES DO CATARSE
Cards “Mulheres detetives da ficção”:
 Cláudia Lemes é autora de vários livros de sucesso no Brasil, nos quais explora o gênero do mistério (thriller), é também uma das fundadoras da ABERST (associação Brasileira de escritores de suspense e terror). Ela fez uma seleção de 10 mulheres detetives da ficção que a inspiraram e que também sem duvida podem ter sido inspiradas pelas suas precursoras do século XIX e XX. os cards são exclusivos para apoiadores do catarse e ilustrados por Lua Bueno Cyríaco.

RECOMPENSAS DIGITAIS

E-book: E-book em formato fluido, ele não contém formatação fixa nem caracteres especiais ou ilustração, é feito especialmente para e-readers. O apoiador poderá baixar na Amazon (mobi) ou Google Books (epub), utilizando um código que enviaremos via e-mail.

Pôster digital: O poster digital será enviado por e-mail, e ele tem qualidade para impressão no tamanho de A3 ou menor.

O Catarse é uma plataforma de financiamento coletivo. Essa página é uma parceria entre a Urso e a plataforma. O processo é muito simples: você apoia o projeto e contribui para fazê-lo existir no mundo!

Em troca, nós pensamos em várias recompensas interessantes, desde o livro em si, até mimos como bolsas, marcadores especiais, entre outras coisas! Você pode escolher de acordo com o seu gosto e também a forma de pagamento (se boleto ou cartão).

Para ver as opções, basta olhar os cards ao lado e escolher o seu >>>>

ou acessar a aba “recompensas”.

Por isso, nós precisamos muito do seu apoio. Sem ele, o projeto não acontece 🙁

Então… vamos chamar os amigos e apoiar! ♥

PREFACIADORA CONVIDADA
Ana Paula Laux é jornalista, criadora de conteúdo e editora do site Literatura Policial. Sob o pseudônimo Chris Lauxx, lançou com Rogério Christofoletti o e-book Os Maiores Detetives do Mundo.

EDITORA ASSISTENTE E TRADUTORA
Ana Cláudia Fagundes da Cunha C. Ramuski é bacharel em Letras pela UFPR e mestranda em Letras também pela UFPR, sendo Pesquisadora da área de Pragmática Cognitiva. Atua nas áreas de tradução e revisão textual, e como assistente editorial da Laboralivros.

EDITORA
Lua Bueno Cyríaco, formada em Artes Visuais e graduanda em letras japonês pela UFPR. Artista gráfica, ilustradora e editora da BuruRu e Urso.

Tem a publicação do livro Horror Oriental, Irui Kon’in no Mukashi BanashiRaposas – contos fantásticos orientaisContos fantásticos Coreanos e As aventuras da senhorita detetive Loveday Brooke sob sua tutela editorial, todos apoiados através do Catarse.

REDES SOCIAIS
Jéssica Vitória T. S. Tavares é graduanda em Letras Japonês pela UFPR. É responsável pelas redes sociais e divulgação dos projetos da Laboralivros.

O estilo da literatura policial atual deve muito aos romances sensacionalistas muitas vezes escritos por mulheres, onde seus enredos cheios de reviravoltas, revelações de crimes ou segredos obscuros, muitas vezes escandalosos socialmente flertavam fortemente com o gênero de mistério.

Dos romances de mistério se destacou a figura do detetive, que aos poucos se tornou o centro das atenções. Atualmente a literatura policial atual é reconhecida por muitos grandes detetives homens, que consolidaram suas carreiras no final do século XIX, em especial na literatura de língua inglesa.

Mas e as mulheres?

Na segunda metade da Era Vitoriana houve um grande número de detetives mulheres (chamadas lady detective) surgindo na literatura como; Srª Pascal, Miriam Lea, Mollie Delamere, Dora Myrl, Hilda Wade e tantas outras. A maioria era escrita por homens, mas houveram autoras mulheres que deram vidas à grandes personagens do mesmo sexo que em sua época criaram tanto frisson quanto Sherlock Holmes.

Mas hoje nos perguntamos “onde estão essas mulheres autoras e detetives”?

É com esse objetivo que a coleção Senhorita Detetive foi criada. Nós vamos resgatar escritoras e personagens que foram por muito tempo negligenciadas, a ponto de serem ainda inéditas no Brasil embora sejam textos com mais de 100 anos.

Todas essas histórias são do final do século XIX e meados do século XX, muito antes da chamada “Era de Ouro” da literatura detetivesca, sendo certamente textos que inspiraram grandes nomes como Aghata Christie.

Nesta coleção reunimos as detetives criadas por autoras mulheres da literatura inglesa e americana em dois estilos: livros de casos, que são coletâneas completas de historias onde cada uma apresenta um caso diferente, e romances, um único livro com uma história longa.

TÍTULOS

Livro 1: O primeiro livro dessa coleção é “As aventuras da senhorita detetive Loveday Brooke” da autora Catharine L. Pirkis e segue o formato bookcase, ou seja, são vários contos reunidos sendo cada um um caso diferente.

Livro 2: A filha de Hagar: uma história sulista de preconceito de castas, de Pauline E. Hopkins. Um romance completo.

Livro 3: Lady Molly da Scotland Yard, de baronesa Emma Orczy.

Livro 4: Título a ser desvendado em julho de 2021.

Você quer seguir as pistas e descobrir os títulos que virão? Siga a gente nas redes sociais (Instagram, Facebook e Twitter) @laboralivros e siga também as hashtags #senhoritadetetive e #senhoritadetetive2021.

A Urso

A Editora Urso (que é a irmã mais velha da Editora BuruRu) é uma empresa incubada pela Laboralivros, que oferece seus recursos de serviços editoriais para que nossas publicações se tornem realidade! A Urso tem como proposta a publicação e divulgação de trabalhos voltados às áreas artísticas e às demais ramificações das ciências humanas. Dentro desse espectro, realizamos publicações de traduções, poesia, ensaios, teses e dissertações com propostas culturais e estéticas a fim de auxiliar na divulgação desses trabalhos.

Assim, partimos do interesse em nos debruçarmos em trabalhos que tenham envolvimento no universo das belas-artes com suas ramificações culturais e teóricas de ordem especulativa em diálogo com o âmbito estético. Conteúdos ensaísticos, dissertativos, literários e de tradução são bem-vindos.

DIVULGAÇÃO

Alguns canais literários em várias redes sociais abraçam a importância desse projeto tanto quanto a gente e nos ajuda demais na divulgação! Vale aqui o nosso muito obrigado e o convite para que conheça cada um deles!

Andrea Bistafa (Fundo Falso) | A vida pelas páginas | Leitura da Lari | Realidade Literal | Livros são filhos | Mand Sekai | Clube de Crimes Impossíveis

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Lady Molly da Scotland Yard”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *